domingo, setembro 05, 2010

Em Busca de las Historietas!


Em Agosto, Lia e eu fizemos uma viagem à passeio pelo Uruguay e Argentina. Essa ocasião foi legal também para achar tempo para mais desenhos e procurar pelas famosas historietas argentinas. Nessa parte usei como guia principal o livro Bienvenido do Paulo Ramos, sobre o qual falei no post anterior, também recorri a informações que eu sabia e tinha anteriormente veiculado aqui no Blog.

Então, sempre que o tempo para descanso nos permitia, ou entre viagens tediantes, eu tirava o caderno de esboços da bolsa e praticava, não desenhei muito pois a finalização exigia um tempo. E não sou muito bom com desenhos realistas, mas foi uma diversão a mais e mais um propósito para o passeio. Aos que quiserem dicas sobre a viagem confiram também aqui nesse site. Começamos chegando de avião em Montevideo. Esse desenho aí do lado é a Lia escrevendo no avião.

Do aeroporto de Carrasco pegamos um ônibus de linha da COPSA. Tinha cadeiras de ônibus interestadual, mas tinha catraca e pouco espaço para malas. De todo modo foi rápido e interessante. Um casal de meia-idade puxou conversa conosco. No dia seguinte, enquanto descansavamos na Plaza Fabini, nome do cara da nota de 100 pesos no Uruguay, compositor de peças como essa aqui e aqui. O desenho da praça é este que ficou aqui em baixo, não sou muito bom desenhista de paisagens e cenários realistas. Demoro muito tempo, para acabar. O que fiz então foi croquis bem rápidos, depois tirava fotos do ponto de onde estava e finalizei depois. Há varias imperfeições. em especial na praça Fabini há dois pontos. Estive olhando em outras fotos e parece que o ângulo contrário desse que desenhei é ainda mais desafiador, assim como o ângulo de quem está sentado a direita do desenho. Bom, não reparei isso lá, pois não cheguei a ir ver do outro lado e havia gente sentada nos bancos da direita.

Esse dia amanheceu com muita neblina e não tivemos oportunidade de procurar outros pontos para desenhar. Visitamos a praça da independencia, a Rambla Sur e o Teatro Solis, um programa que vale muito a pena. A Cidade Vieja que fica antes do antigo portão da muralha na praça da independencia é toda interessante de se conhecer e visitar. A tarde para almoçar fomos ao shopping punta carretas em Pocitos, tradicional bairro da cidade. Em Montevideo optei por não procurar por quadrinhos, já que seria mais fácil de encontrá-los em Buenos Aires. Mas os preços da capital argentina se mostraram salgados, logo falo sobre isso.

Passamos dois dias e meio em Montevideo, fomos de ônibus COT até Colonia del Sacramento e pegamos um barcão da companhia buquebus. A viagem demora cerca de 3 horas. Tempo mais que suficiente para começar e finalizar um desenho só com Nanquim, até porque esse desenho que fiz aí do barco foi bem simples, só desenhei cadeiras e janelas e estava tudo escuro lá fora, :).

O pessoal do Uruguay é muito simpático e assim como os gaúchos aqui do RS, gostam de um chimarrão. Na Argentina não vimos tanta gente tomando o mate não, quase não vimos na verdade, quando viamos eram uruguayos lá. Chegamos em Buenos Aires de noite e no dia seguinte antes de pegar o metrô fizemos uma pausa na Plaza de Mayo de onde comecei a desenhar a casa rosada, que aqui ficou em preto e branco mesmo. O desenho ainda está inacabado, assim como o da praça de montevideo depois comparando com a foto vi uma série de imprecisões. De todo modo fui mais fiel possível ao croqui feito na hora, pois mudar o desenho de acordo com a foto é ainda mais difícil por incrível que pareça.A Estação Lima da linha A do Metrô de Buenos Aires possui um interessante mural desenhado por Horácio Altuna, o desenhista do quadrinho 'El Loco Chavez', de muitos outros. De acordo com o Jornal La Nacion, o painel foi inaugurado em Outubro de 2002. Pensei em se tratar de um painel mais antigo, nota-se aí pela foto que alguns azulejos já caíram e o mural necessita de reparos. No Flickr encontrei um detalhe ainda mais interessante deste mural. Bom, o engraçado é que nesse mesmo dia em um kiosco da linha de metro encontrei à venda "El Loco Chavez" de Carlos Trillo e Horácio Altuno, coleción El Clarin por 9,90 pesos. Mais uma informação, parece que na Linea B, na estação Uruguay, há um mural do El Eternauta uma das obras de quadrinhos mais importantes daquele país.
Como eu disse antes, os preços na Argentina não estão muito em conta, creio que efeito da inflação. Com exceção de refeições que estão baratas, a maioria dos demais preços que encontramos na capital Argentina estavam equiparados aos preços de similares do Brasil. Por exemplo, o álbum do Boogie El Aceitoso do Fonatanarrosa estava nada menos do que $ 173,00 pesos na Livraria El Ateneu (o que na conversão corrente do dia a dia de Agosto dá R$86,50), nada mais barato do que já encontramos. Você pode achar que esse álbum em particular estava mais caro por conta do sucesso da animação, mas não parece ser tanto isso, todos os álbuns novos que pesquisei estavam com preços iguais ou mais altos do que comic books publicados por aqui. Por exemplo, um quadrinho do Cortazár com desenhos do Breccia custou em reais R$ 46,95. Nada que não saísse pelo mesmo preço aqui no Brasil. Os preços estavam similares, edição nova do El Eternauta que estava um pouco mais em conta (R$ 30,00). Os quadrinhos usados também, comprei bastante da coleção do Clarin usada. E alguns em bancas.

O que mais visitei foram livrarias mesmo, Buenos Aires possui muitas bancas, mas tive a mesma impressão do que ocorre aqui no Brasil, as bancas estão perdendo espaço para as comic shops e livrarias. O que encontrei em bancas era material usado e bastante Condoritos. Na questão de comic shops especializadas (chamadas comiquerias) tive chance de visitar poucas. Na punto de fuga (calle Uruguay), foto que está aí do lado, comprei basicamente fanzines, o que naturalmente não sairam caros, fanzine é barato em qualquer lugar do mundo. A loja tinha muitos lançamentos de comics estadunidenses, alguns interessantes, como Heavy Liquid do Paul Pope, mas nada de preço razoável. Saia por R$ 100,00 e a punto de fuga não aceita tarjetas de crédito.

Procuramos pela famosa Camelot comics, apenas para descobrir que ela havia recém fechado naquele mês de Agosto. Passamos pela rua e conferimos, agora só há a cuspede livros. As demais comic shops especializadas, tais como Rayo Rojo, Club del Comic e Entelequia ficavam um pouco longe para podermos visitar. Em verdade, a entelequia nem tanto, mas não deu tempo mesmo. Um programa final relacionados à quadrinhos foi visitar a estátua da Mafalda no Bairro de San Telmo. O Bairro por si vale a visita, e a estátua é na esquina da calle defensa com Chile é um bom chamariz para apreciadores do Quino. Chovia nesse dia, mesmo assim Mafalda estava solita, sorrindo e feliz. A todo momento chegavam pessoas para tirar uma foto com sua companhia.

Esse foi o final da nossa busca por HQ's na Argentina, em termos de coisas novas, peguei mesmo mais os fanzines e Comic.ar. Há notícias de quadrinhos de lá que serão lançados aqui no Brasil. Creio que Boogie El aceitoso em breve será um deles, mas falo por achismo. Confirmado pelo Blog dos quadrinhos temos Eden de Kioskerman. Ainda assim, eu achei que minha procura poderia ter sido mais eficaz, por exemplo, não encontrei nada do Domingo Mandrafina. Fontanarossa fora Boogie não se achava muita coisa. Bom, mas fiquei apenas cinco dias, quem sabe em uma próxima não consigo mais achados.

4 comentários:

Olavo disse...

Poxa, bacana mesmo a viagem, paarbéns!

Lia_Lioca disse...

Olavo sim foi bacana mesmo,e a visita da Mafalda foi a melhor ela é simpatica e mesmo com chuva no dia ela não tirou o seu sorriso do rosto.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Abraço

I'm a Rock disse...

hehehe!

I'm a Rock disse...

Outro detalhe interessante e Nerd. Em montevideo, perdi minha caneta Bic 4 cores, dentro de um taxi. No restante da viagem entrtei em várias livrarias (5 ou 6) procurando uma Bic 4 colores, não econtrei em nenhum lugar.

Bic Four Colors Shortage!